Notícias

O Conselho Regional de Administração de São Paulo – CRA-SP recebeu, na reunião plenária desta segunda-feira, o secretário de Habitação do Governo do Estado de São Paulo, Flávio Amary, que falou sobre os planos e metas da pasta na atual gestão. Os conselheiros presentes à reunião conheceram um pouco mais da trajetória de Amary, formado em Administração pela Fundação Getulio Vargas – FGV e com uma carreira intimamente ligada ao setor habitacional. Seu mais novo desafio, como ele próprio destacou, é a transição do setor privado para o público, onde as ações demoram um pouco mais para acontecer e as demandas são diversas.

Entre os objetivos do governo, o administrador público citou como uma das prioridades a desburocratização de processos e a cooperação entre os governos estadual e municipais. “Muito da área habitacional é feita nas cidades, pois são elas que regram o uso e ocupação do solo e que aprovam, em conjunto com o Estado, os projetos habitacionais. É constatado que nos municípios onde a burocracia é grande, maior é o déficit habitacional. Porém, o governo estadual pode ajudar, colaborar e dar a mão em termos de cooperação. Não estou falando, claro, que podemos resolver isso em um dia. Esse é um projeto de longo prazo”, lembrou.

Quanto a redução do déficit habitacional, umas das maiores questões da área, Amary lembrou que esse problema não é apenas formado pela falta de moradias, mas sim por diversos fatores e que cada um deles tem uma forma de resolução. “Sessenta por cento do déficit se deve ao ônus excessivo de aluguel, quando as famílias gastam mais de um terço de sua renda com esse tipo de despesa; 24% referem-se a coabitação, ou seja, quando duas ou mais famílias moram na mesma casa e, claro, também existem os casos daquelas pessoas que moram em favelas, cortiços, entre outras formas de moradias. É importante termos esse mapa de São Paulo para conhecermos os problemas, pois cada um deles tem um tipo de encaminhamento adequado. Nosso papel não é só fazer casa. Esse, sem dúvida, é um pedaço muito importante, mas outras ações complementares também ajudam a gente a diminuir o déficit habitacional hoje”, explicou.

O secretário deu destaque, ainda, para o relacionamento do governo com os movimentos sociais que, de acordo com ele, já somam mais de 200 apenas no estado de São Paulo. Ele enfatizou que o diálogo está aberto, desde que a legislação e as regras sejam respeitadas. “Tem muito movimento social do bem, que possui o mesmo objetivo que a gente: atender o povo e as famílias que mais precisam. Os dois lados divergem, na minha opinião, quando, para atingir o que se deseja, começam a invasão de terras, as ocupações e as manifestações irregulares. No Conselho Estadual da Habitação vai existir uma regra que proibirá o Estado de atender movimentos, entidades ou associações que sejam responsáveis por novas invasões”, revelou.

Em breve, a cobertura da visita do secretário de habitação estará disponível no Canal A Serviço da Administração. Acesse youtube.com/oficialcrasp